A percepção e a produção de sons de espanhol e português como línguas estrangeiras

Neste projeto de pesquisa, analisaremos a aquisição de espanhol e de português como línguas estrangeiras (ELE e PLE), tendo como foco de estudo alunos brasileiros do Curso de Letras Português-Espanhol da Universidade Federal do Rio Grande e estudantes de diversos cursos de mestrado e doutorado da mesma instituição, provenientes de países de países de fala espanhola, e que cursam português no Centro de Ensino de Línguas Estrangeiras (CELE), da FURG. Serão coletados dados de percepção, com o uso do Software TP (RAUBER et al., 2012), e dados de produção de sons, gravados em cabine com isolamento acústico. Além das análises individuais das amostras de fala de brasileiros e hispânicos, realizaremos uma análise comparativa da aquisição de ambos os idiomas, com o propósito de identificar semelhanças e diferenças no aprendizado de línguas próximas, bem como de sistematizar o processo de aquisição de línguas estrangeiras irmãs, dando ênfase às principais dificuldades fonético-fonológicas. Considerando que anualmente matriculam-se alunos no Curso de Letras Português-Espanhol e que também, especialmente através do Programa de Alianças para a Educação e a Capacitação (Bolsas Brasil PAEC-OEA-GCUB), a universidade recebe alunos hispânicos, faremos gravações anuais, conforme apresentado no cronograma de execução da pesquisa, a fim de obtermos resultados mais expressivos. Os resultados da pesquisa nos darão suporte para a elaboração de materiais teóricos e práticos para o auxílio dos aprendizes de espanhol e português como línguas estrangeiras na aprendizagem desses idiomas. Além disso, buscamos fornecer insumos para que os professores de espanhol e de português como línguas estrangeiras possam entender melhor como se dá o processo de aquisição de línguas estrangeiras e saibam como atuar diante das dificuldades encontradas, possuindo um suporte teórico-prático para auxiliar o aluno a superar a interlíngua, processo comum na aquisição de uma LE (ALMEIDA FILHO, 1995, 2004; ALVES, 2012; BRISOLARA & SEMINO, 2016; ALVES, BRISOLARA & PEROZZO, 2017, ESPIGA, 2001; FERNÁNDEZ, 2001).

Universidade Federal do Rio Grande - campus carreiros - Av. Itália, km 8, Rio Grande, RS, Brasil

Coordenadora: Profª Drª Luciene Bassols Brisolara

Integrantes do projeto: Bianca Valentina da Cruz (PROBIC/Fapergs), Caroline Lima de Morais (PQA), Jeferson Velasque Serafim (PIBIC/CNPq), Louise Oliveira da Silva (PQA), Suaidy Viviane Bordulis da Silva (PQA)

Situação: Em andamento no ano de 2019

 

 

A produção de atividades didáticas de pronúncia em línguas estrangeiras

O ensino de pronúncia tem recebido pouca atenção por parte dos docentes de línguas estrangeiras, seja em cursos de formação de professores, no nível superior, seja em cursos livres de idiomas e também nas escolas. A rejeição ao trabalho com as questões relativas à pronúncia pode ser devida à falta de conhecimento dos professores sobre as áreas de fonética e fonologia. Além disso, parece haver uma preferência por dar-se ênfase a aspectos morfossintáticos, semânticos e pragmáticos, deixando-se em segundo plano a pronúncia da língua, já que, em diversas situações, apesar de imperfeições fonéticas, o aluno consegue se comunicar na língua-alvo. Apesar da aparente consideração do caráter secundário do ensino da pronúncia, aspectos fonético-fonológicos da língua-alvo são contemplados pelo Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas (doravante, QECR), documento do Conselho da Europa, a partir do qual são organizadas as descrições de níveis de proficiência, para planejamento de cursos e avaliação. Além do QECR, documento orientador de currículo, alguns estudos têm destacado a importância do ensino da pronúncia para o melhor desenvolvimento da habilidade oral dos aprendizes de línguas estrangeiras (ALVES, BRISOLARA & PEROZZO (no prelo); ALVES, 2012; ALVES & SILVA, 2013; BARRETO & ALVES, 2012; FALCÃO, 2009; FARIAS, 2015; IRUELA, 2007; MONTENEGRO, 2009; SILVEIRA, 2006; CANEPARI, 1999; COSTAMAGNA, 1996). No entanto, ao analisarmos os livros didáticos disponíveis no mercado, verificamos que ou costumam apresentar uma quantidade não significativa de atividades voltadas para o ensino de pronúncia ou sua organização é de difícil consulta e compreensão para docentes não especializados em Fonética e Fonologia, o que dificulta o trabalho dos professores em sala de aula. Por essa razão, o projeto de pesquisa denominado A produção de atividades didáticas de pronúncia em línguas estrangeiras propõe-se a elaborar materiais didáticos sobre pronúncia de português, espanhol e italiano como línguas estrangeiras.

Universidade Federal do Rio Grande - campus carreiros - Av. Itália, km 8, Rio Grande, RS, Brasil

Coordenadora: Profª Drª Luciana Pilattii Telles 

Integrantes do projeto: Luciene Bassols Brisolara e Suaidy Viviane Bordulis da Silva

Situação: Em andamento no ano de 2019